O SOFRIMENTO PSÍQUICO, A DOENÇA RENAL CRÔNICA E AS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES DO TRABALHO DO PSICÓLOGO

Laina Silva de Almeida, Aline Tonheiro Palmeira

Resumo


A Doença Renal Crônica (DRC) compromete as funções dos rins e afeta as pessoas em seus aspectos físico, psíquico e social resultando em um novo modo de viver, com mudanças de hábitos alimentares, restrições hídricas, alterações na aparência do corpo (devido à presença de um cateter usado no tratamento) e perda de peso, tornando, mínimas, as chances de manter uma vida laboral ativa. Nesse sentido, o trabalho em questão visa analisar o sofrimento psíquico presente nos pacientes e como este é descrito nos estudos. Trata-se de uma pesquisa de revisão sistemática, realizada em abril de 2016 usando três bases de dados: PEPSIC; BVS PSI; SCIELO. Foram selecionados 19 artigos, publicados entre 1998 e 2015, na literatura nacional. Desse modo, os resultados apontam que os estudos descrevem o sofrimento psíquico como: dor emocional; sentimento de desamparo; sentimento de inferioridade; insegurança; depressão, estresse, raiva; medo. O estresse e a depressão foram os mais descritos nos estudos. Assim sendo, concluiu-se que, em virtude das inúmeras mudanças sofridas pelas pessoas com a DRC, o sofrimento psíquico faz-se presente na maioria dos casos, expressados de diversos modos. À vista disso, é imprescindível a contribuição do profissional de psicologia, bem como, de uma equipe multiprofissional, ofertando possibilidades de enfrentamento, promovendo bem-estar e uma melhor qualidade de vida frente às adversidades do adoecimento.


Palavras-chave


Doença Renal Crônica. Sofrimento psíquico. Papel do psicólogo.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTOLIN, D. C. et al. Modos de enfrentamento dos estressores de pessoas em tratamento hemodiálitico: revisão integrativa da literatura. Acta paul. enferm. [online]. v. 21, n. spe, p.179-186, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

CASTRO, A. P.; SCATENA, M. C. M. Manifestação emocional de estresse do paciente hipertenso. Rev. Latino-Am. Enfermagem. Ribeirão Preto. v. 12, n. 6, p. 859-865, 2004. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2017.

COSTA, F. G. et al. Rastreamento da depressão no contexto da insuficiência renal crônica. Temas psicol. [online]. v. 22, n. 2, p. 445-455, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

COSTA, A. B; ZOLTOWSKI, A. P. C. Como escrever um artigo de revisão sistemática. In: KOLLER, S. H; COUTO, M. C. O. P; HOHENDORFF, J. V. (Org). Manual de produção científica. Ed. Penso. 2014, p. 55-69.

CHERER, E. de Q.; QUINTANA, A. M.; LEITE, C. T. Repercussões psíquicas do adoecer: um relato de atendimentos na nefrologia hospitalar. Psicol. teor. prát. v. 14, n. 2, p. 66-73, 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2016.

FREITAS, P. P. W. de; COSMO, M. Atuação do Psicólogo em Hemodiálise. Rev. SBPH [online], v.13, n.1, 2010, p. 19-32. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

KOEPE, G. B. O; ARAÚJO, S. T. C. A percepção do cliente em hemodiálise frente à fístula artério venosa em seu corpo. Acta paul. enferm. v. 21, São Paulo, 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002008000500002>. Acesso em: 21 maio 2016.

LIRA, C. L. O. B. de; AVELAR, T. C. de; BUENO, J. M. M. H. Coping e Qualidade de Vida de pacientes em hemodiálise. Est. Inter. Psicol. [online]. v. 6, n. 1, 2015, p. 82-99, 2015. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S2236-64072015000100007&script=sci_abstract>. Acesso em: 12 abr. 2016.

MACUGLIA, G. R. et al. Qualidade de vida e depressão de pacientes em hemodiálise. Rev. bras.ter. cogn. [online]. v. 6, n. 2, p. 167-188, 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

MARINHO, R. F. et al. Crenças relacionadas ao processo de adoecimento e cura em pacientes renais crônicos. Psicol. hosp. [online]. São Paulo, v. 3, n. 2, 2005. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-74092005000200005>. Acessa em: 08 abr. 2016.

MATTOS, M; MARUYAMA, S. A. T. A experiência de uma pessoa com doença renal crônica em hemodiálise. Rev. Gaúcha Enferm. Porto Alegre (RS), v. 31, n. 3, p. 428-34, 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2016.

NASCIMENTO, F. A. F. do. Uma contribuição às reflexões sobre os aspectos emocionais e o papel do psicólogo na Hemodiálise. Rev. SBPH [online]. v. 16, n. 1, p. 70-87, 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2016.

NIFA, S.; RUDNICKI, T. Depressão em pacientes renais crônicos em tratamento de hemodiálise. Rev. SBPH [online]. v.13, n. 1, p. 64-75, 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

OLIVEIRA, T. F. M. et al. Perfil sociodemográfico, eventos de vida e características afetivas de pacientes com insuficiência renal crônica em tratamento por hemodiálise e diálise peritoneal: Um estudo crítico. Psicol inf. [online]. v.12, n. 12, p. 9-32, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

PASCOAL, M. et al. A importância da assistência psicológica junto ao paciente em hemodiálise. Rev. SBPH [online]. v. 12, n. 2, p. 2-11, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

QUADRADO, A; RUDNICKI, T. Adesão terapêutica e a doença crônica não transmissível. Rev. SBPH [online]. v. 12, n. 2, p. 12-22, 2009. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2016.

QUINTANA, A. M; MULLER, A. C. Da saúde à doença: representações sociais sobre a insuficiência renal crônica e o transplante renal. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 24, n. 44, p. 73-80, jan./mar. 2006. Disponível em:. Acesso em: 12 abr. 2016.

RESENDE, M. C. de et al. Atendimento psicológico a pacientes com insuficiência renal crônica: em busca de ajustamento psicológico. Psicol. clin. [online]. v. 19, n. 2, p.87-99, 2007. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2016.

REIS, C. K; GUIRARDELLO, E. B; CAMPOS, C. J. G. O indivíduo renal crônico e as demandas de atenção. Rev Bras Enferm. Brasília, v. 61, n. 3, p. 336-341, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2016.

RIBEIRO, R. de C. H. M. et al. Depressão em idosos portadores de insuficiência renal crônica em tratamento hemodialítico. Acta paul. enferm. [online]. v. 22, n.spe1, p.505-508, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

ROCHA, R. P. F; SANTOS, I. Necessidades de autocuidado entre clientes com a doença renal crônica: revisão integrativa de literatura. Revista de Pesquisa: cuidado é fundamental. [online]. v. 1, n. 2, p. 423-433, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2016.

RUDNICKI, T. Preditores de qualidade de vida em pacientes renais crônicos. Estud. psicol. [online]. Campinas, v. 24, n. 3, p.343-351, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2007000300006>. Acesso em: 20 abr. 2016.

SLOMKA, L. Associação entre o nível de resiliência e o estado clínico de pacientes renais crônicos em hemodiálise. Barbaroi [online]. Santa Cruz do Sul, n. 34, p. 23-37, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

SILVA, R. M. G. A importância do perfil psicológico no prognóstico do paciente renal. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospilatar. v. 1, n. 1, p. 37 -39, 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

THOMAS, C. V.; ALCHIERI, J. C. Qualidade de vida, depressão e características de personalidade em pacientes submetidos à hemodiálise. Aval. psicol. [online]. v. 4, n. 1, p. 57-64, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

VARELA, M. J. V. et al. Insônia: doença crônica e sofrimento. Revista neurociência. v. 13, p. 183- 189, 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).