DA COLÔNIA AO GOURMET: UMA ANÁLISE DO SURGIMENTO DA NOVA COZINHA BRASILEIRA, SEUS LASTROS HISTÓRICOS E TENDÊNCIAS.

Bruno Almeida Brito, Larissa Alves de Sousa Costa Costa

Resumo


Os últimos vinte anos marcam o surgimento de uma nova cozinha brasileira. Os cozinheiros de outrora deixam de ser coadjuvantes e assumiram a função de agentes transformadores do cenário gastronômico nacional. O produto brasileiro passou a ser tratado como preciosidade, alçado ao patamar de gourmet. A valorização do que é fruto dessa terra torna-se questão de honra, um ato de justiça, após séculos de colonialismo ideológico. O complexo de vira-latas dá lugar a um ufanismo gastronômico e a revolução começa em nossas panelas. Munidos da premissa de que comida é cultura, surgem chefs e cozinheiros dos quatro cantos do país com uma missão comum: elevar a cozinha brasileira ao patamar que é seu por direito: potência do cenário gastronômico mundial. Diante disto, o presente estudo buscou investigar a Nova Cozinha Brasileira, identificando seus principais representantes, através de uma revisão narrativa da literatura, com a inclusão de livros e artigos originais. Portanto, foi possível reconhecer, através deste estudo, que o cenário que o futuro da gastronomia brasileira sugere é de crescimento na demanda por profissionais de cozinha em decorrência de mudanças comportamentais, fruto da urbanização e aumento da jornada de trabalho, aliados ao aumento do poder aquisitivo e o recém-adquirido gosto do cidadão médio por produtos de qualidade superior.


Palavras-chave


Nova. Cozinha. Brasileira. Surgimento. Tendências.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBER, D. What Farm-to-Table Got Wrong. The New York Times, New York, 18 maio 2014a. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2016.

BARBER, D. The Third Plate: Field Notes on the Future of Food. New York: Penguin Press, 2014b, 483 p.

BARNEY, J. B; HESTERLY, W. Administração Estratégica e Vantagem

Competitiva. São Paulo: Prentice Hall, 2011, 432 p.

CASTELLI, G. Hospitalidade: Na Perspectiva da Gastronomia e da Hotelaria. São Paulo: Saraiva, 2005, 230 p.

COSTA, Z. D. A cozinha brasileira, sua formação, definição e transformação. In: FURTADO, S. M.; TOMIMATSU, C. E. (Org.). Formação em gastronomia: aprendizagem e ensino. São Paulo: Boccato, 2011. p. 140-146.

CHAULIAC, B. J. R. Trabalho Informal: Um paralelo entre os trabalhadores de rua da cidade de Salvador no século XIX e no século XXI. Caderno CRH, Salvador, n. 37, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2016.

HUMPHRIES, C. Delicious Science. Nature. New York: v. 486, 21 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2016.

KUMMER, C. What does farm-to-table mean anymore?. Vanity Fair. New York, maio 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

LEAL, M. L. M. S. A história da gastronomia. Rio de Janeiro: Senac nacional, 2008, 143 p.

MARTIN, S. J. The third plate: field notes on the future of food. Canadian Food Studies. New York: v. 1, n. 2, p. 4-6, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2016.

MONTEIRO, R. Z. Infraestrutura de uma escola de Gastronomia: arquitetura, conforto, logística e estética. In: FURTADO, S. M.; TOMIMATSU, C. E. (Org.). Formação em Gastronomia: aprendizagem e ensino. São Paulo: Boccato, 2011. 197-211.

MITZELFELT, C. The original “Farm-to-Table”. New York, set. 2015. Disponível em . Acesso em: 18 fev. 2016.

PRADO, E. O conceito delicioso: “Da Fazenda para a Mesa”. São Paulo, maio 2014. Disponível em . Acesso em: 02 fev. 2016.

QUEIROZ, M. A importância dos estudos sensoriais na formação do chef de cozinha. In: FURTADO, S. M.; TOMIMATSU, C. E. Formação em Gastronomia: aprendizagem e ensino. São Paulo: Boccato, 2011. p. 158-170.

SMERALDI, R. Na prática, o ‘from farm-to-table falhou’. São Paulo, 18 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2015.

SPINACÉ, N. A invasão dos food trucks: febre nos Estados Unidos, os

restaurantes sobre rodas começam a ganhar espaço nas ruas brasileiras. Revista Época. São Paulo, 24 set. 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 fev. 2016.

STANDAGE, T. Uma história comestível da humanidade. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2010.

ULISSEA, G. Informalidade no mercado de trabalho brasileiro: uma resenha da literatura. Revista de Economia Política. v. 26, n. 4, p. 596-618, dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).